O que é

Entre todos os tipos de cânceres em mulheres, o câncer de ovário é o que tem a taxa de sobrevivência mais baixa. Sendo diagnosticado anualmente em quase 250.000 mulheres em todo o mundo, o câncer de ovário é responsável por 140.000 óbitos por ano. Os dados estatísticos indicam que apenas 45% das mulheres com câncer de ovário têm probabilidades de sobreviver por cinco anos, em comparação com 89% das mulheres com câncer de mama.

As nações desenvolvidas e em desenvolvimento são igualmente afetadas por essa doença. Os sintomas são, muitas vezes, erradamente diagnosticados, dado que podem ser confundidos com sintomas de outras doenças menos graves, especialmente enfermidades gastrintestinais.

001_Sobre-ovario_Thumb_1

Ovários sadios

001_Sobre-ovario_Thumb_2

Câncer de ovário localizado

001_Sobre-ovario_Thumb_3

Câncer de ovário com metastático

A maioria das pacientes apenas são identificadas nas fases avançadas da doença, quando o seu tratamento é mais difícil. Não há nenhum teste simples ou de rotina para descobrir o câncer de ovário com precisão. Não existem testes de detecção precisos e seguros para o câncer de ovário. O que sabemos é que existe um determinado número de fatores que aumentam o risco de a mulher desenvolver câncer de ovário:

Idade: A maioria dos casos de câncer de ovário ocorre em mulheres com mais de 55 anos, dado que chegaram à menopausa. Todavia, alguns tipos de câncer de ovário podem aparecer em mulheres jovens.

Antecedentes familiares: As mulheres para quem é maior o risco (relativamente à população geral) de desenvolverem câncer de ovário são as que têm dois ou mais parentes que tiveram câncer de ovário, da mama, do cólon ou do útero, quer seja do lado paterno ou materno da família.

Muitas vezes, os sintomas do câncer de ovário podem ser confundidos com outros problemas menos graves, tais como as enfermidades gastrintestinais.

Genética: O risco também aumenta quando a pessoa é portadora de anormalidades nos genes BRCA1 ou BRCA2 (genes que ajudam a reparar os danos nas células). Outros fatores: O risco de desenvolver câncer de ovário é maior nas mulheres que não tiveram filhos, que nunca tomaram a pílula anticoncepcional, que iniciaram o período menstrual muito cedo ou cuja menopausa começou mais tarde do que a média.

Para as mulheres que já tiveram endometriose é mais provável desenvolverem câncer de ovário.

utero


Fatores de risco

O câncer de ovário é o sétimo câncer feminino mais comum em todo o mundo, sendo o câncer ginecológico mais grave.

Cerca de 15% dos casos de câncer de ovário têm antecedentes familiares. Isso significa ter laços de sangue estreitos (mãe, irmã, filha, avó, neta, tia ou sobrinha), quer seja no lado materno ou paterno da família, com alguém que tenha tido câncer da mama antes dos 50 anos de idade ou câncer de ovário em qualquer idade. Para mulheres sem antecedentes familiares, o maior fator de risco é a idade.

É importante falar com o médico para saber qual poderá ser seu risco pessoal. Se você tiver antecedentes familiares de pessoas com câncer de mama ou de ovário, conforme indicado acima, sugerimos para procurar aconselhamento genético.

Na verdade, segundo o modo de pensar atual, qualquer mulher com câncer de ovário também deve procurar aconselhamento genético como sendo um passo importante para ela e para os membros de sua família. Para obter mais informações, pergunte ao seu médico sobre os serviços disponíveis na sua área ou contate a organização contra o câncer na sua região.


Sintomas

Muitas vezes, os sintomas do câncer de ovário podem ser confundidos com outros problemas menos graves, tais como as doenças gastrintestinais. Atualmente, os peritos acreditam que a frequência e a combinação dos sintomas podem ajudar os médicos a diferenciar entre o câncer de ovário e outros problemas. Se a mulher sentir um, ou mais, dos sintomas seguintes na maioria dos dias e por um período de três semanas, deverá discutir as preocupações com o seu médico:

• Aumento do volume abdominal / inchaço contínuo (não é o inchaço casual)
• Dificuldade de comer / sensação de plenitude
• Dor abdominal ou pélvica
• Necessidade urgente e frequente de urinar

É muito provável que as mulheres com câncer de ovário tenham com frequência um ou mais dos sintomas acima mencionados. Também podem ocorrer outros sintomas, como por exemplo: mudança nos hábitos intestinais, sangramento vaginal anormal, cansaço e perda ou aumento inesperado de peso (neste caso, em redor do abdômen). Todavia, tais sintomas são menos úteis quando o médico está tentando determinar se a causa deve-se, ou não, ao câncer de ovário.


Prevenção

Existem atualmente duas opções para reduzir o risco de câncer de ovário, sobre as quais você poderá falar com seu médico.

• Pílula anticoncepcional: Tem sido demonstrado que os contraceptivos orais reduzem o risco de câncer de ovário entre 30% e 60%.
• Poderá ser considerada a cirurgia preventiva para remover os ovários e as trompas de Falópio, se os testes genéticos indicarem um aumento do risco do câncer de ovário.

Para as mulheres que estão na fase pós-menopausa, a cirurgia pode reduzir o risco do câncer de ovário em 85%-90%, bem como outros cânceres relacionados. Para as mulheres na fase pré-menopausa, a remoção dos ovários e das trompas de Falópio também pode reduzir o risco do câncer de mama entre 40% e 70%.

Os estudos de pesquisa têm demonstrado que a forma mais comum e mais grave de câncer de ovário começa realmente nas trompas de Falópio. Toda a mulher que está considerando a cirurgia ginecológica poderá discutir sobre a remoção das trompas nessa ocasião.

Manter um peso corporal saudável poderá também reduzir o risco.

Antes de tomar tais importantes decisões, é importante analisar a série de riscos e benefícios. Seu médico também poderá discuti-los com você.


Diagnóstico

Atualmente, não existe nenhum exame de detecção fidedigno para o câncer de ovário. Se você tem sinais ou sintomas do câncer de ovário, seu médico deverá efetuar ou encaminhá-la para fazer os seguintes exames:

• Exame pélvico completo
• Ultrassom pélvico ou transvaginal
• Exame de sangue CA-125

Tais exames são mais eficazes quando são usados no seu conjunto. Como parte do processo de diagnóstico, os médicos também poderão efetuar uma tomografia por emissão de pósitrons ou uma tomografia computadorizada. Todavia, a biopsia é a única maneira definitiva de diagnosticar o câncer de ovário.


5 fatos sobre o câncer de ovário

FATO 1: Todas as mulheres correm o perigo de ter câncer de ovário. Sendo diagnosticado anualmente em quase 250.000 mulheres em todo o mundo, o câncer de ovário é responsável por 140.000 óbitos por ano. Ao contrário de outros cânceres, os países desenvolvidos e em desenvolvimento são igualmente afetados pela doença. É importante ter conhecimento dos sintomas, bem como dos fatores de risco e dos antecedentes familiares, tanto do lado materno quanto paterno.

5fatos

FATO 2: O conhecimento sobre os sinais e sintomas do câncer de ovário poderá permitir que as mulheres recebam um diagnóstico antecipado e que a doença seja tratada mais facilmente. Se uma mulher sentir com frequência alguns dos sintomas abaixo, é importante falar com seu médico:

• Aumento do volume abdominal / inchaço contínuo (não é o inchaço casual)
• Dificuldade de comer / sensação de plenitude
• Dor abdominal ou pélvica
• Necessidade urgente e frequente de urinar

Se bem que tais sintomas estejam muitas vezes associados com outros problemas mais correntes e menos graves, será sempre melhor investigá-los.

FATO 3: O diagnóstico na fase inicial aumenta bastante a probabilidade de sobrevivência da mulher. Quando o câncer de ovário é detectado na fase inicial, quando o câncer ainda está confinado ao ovário, até 90% das mulheres têm possibilidade de sobreviver por mais de cinco anos (período de tempo sobre o qual é calculada geralmente a sobrevivência da mulher quando o tratamento oncológico é avaliado). Uma mulher que apresente sintomas indicativos de câncer de ovário deve ser encaminhada diretamente para um especialista para obter um diagnóstico exato. Se ela for diagnosticada com câncer de ovário, a pessoa mais indicada para tratá-la é o ginecologista oncológico, médico especializado no tratamento oncológico em mulheres.

FATO 4: O câncer de ovário é muitas vezes diagnosticado em fase tardia. O câncer de ovário é frequentemente diagnosticado quando já está em fase avançada. Muitas vezes, as mulheres também adiam o momento de procurar ajuda porque pensam que os sintomas são causados pelo período mensal, a menopausa ou algum alimento, ficando confundidas com outros achaques digestivos e correntes. Muitas vezes, os médicos também suspeitam inicialmente que os sintomas apresentados têm causas menos graves. Todavia, a frequência dos sintomas deverá ajudá-los a levar em consideração o câncer de ovário. Por isso, é útil fazer um diário dos sintomas.

FATO 5: Muitas mulheres acreditam erradamente que o teste do esfregaço cervical (Papanicolau) detecta o câncer de ovário. Não é assim. Ele detecta alterações pré-cancerosas nas células do colo do útero, cujo tratamento tem muito mais sucesso do que o câncer de ovário.


Fonte

Mulher Consciente

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Close