bactéria

Olá, como vai? Tenho certeza que bem! Então, você sabia que estudantes criaram bactéria que come plástico dos oceanos e o transforma em água? Isso mesmo, essa matéria saio no site EngenhariaE e achei muito interessante para compartilhar com você aqui no nosso blog.

Bom, Eu sou de Niterói/RJ, banhado pela Baía de Guanabara que durante anos foi nosso cartão postal, desde então extremamente poluída com dejetos e plásticos. Acho que seria uma boa alternativa, pois:

A Baía de Guanabara é uma baía oceânica localizada no estado do Rio de Janeiro, no sudeste do Brasil.

O relevo que a enquadra, de contornos irregulares, conforma um porto de abrigo natural, favorável à atividade econômica humana, da qual são exemplos as cidades do Rio de Janeiro e de Niterói.

Principal acesso à cidade do Rio de Janeiro durante séculos, acabou tragada pelo crescimento urbano a partir da segunda metade do século XX. Atualmente, conta com um tráfego intenso de navios, sendo significativa também a circulação das balsas, catamarãs e aerobarcos que ligam o centro do Rio de Janeiro à Ilha de Paquetá, à Ilha do Governador, ao centro de Niterói e a Charitas (Niterói). O trajeto para Niterói pode ser feito, desde 1974, pela Ponte Presidente Costa e Silva, mais conhecida como “Ponte Rio-Niterói”.

Sem contar que em 2016 a baía recebeu as Olimpíadas RJ 2016 e muitos atletas de modalidades aquáticas nadaram nesta baía, que quando anunciadas as provas, muitos fizeram memes e ficaram preocupados com a poluição da baía, que por promessa, deveria ter sido despoluída.

Desculpe, acabei puxando muito a sardinha pro meu lado e acabei me envolvendo com os problemas da minha terra natal…

Vamos ao que interessa, né?

De acordo com estudos recentes, é provável que em 2050 haja mais plástico do que peixes em nossas águas oceânicas. Ainda bem que existem pessoas preocupadas com a poluição dos oceanos, e desse modo, uma bactéria foi desenvolvida pelas estudantes Miranda Wang e Jeanny Yao.

As pesquisas iniciaram-se ainda no colégio, e hoje elas já possuem duas patentes, uma empresa e cerca de U$ 400 mil dólares de investimento.

Com cinco prêmios, a dupla ficou famosa por ser a mais jovem a ganhar o prêmio Perlman de Ciência. Tudo devido ao protótipo de bactéria capaz de transformar plástico em CO² e água. A tecnologia vem sido utilizada de duas formas: a primeira é para limpar as praias e a segunda para produzir matéria-prima para confecção de tecidos.

“Nos dias de hoje, é praticamente impossível fazer com que paramos de usar plástico. Acreditamos que tudo deveria ser biodegradável”, disse Wang.

Tecnologia em desenvolvimento

Em um primeiro passo o plástico é dissolvido e depois as enzimas de catalização quebram os componentes do mesmo em pedaços mais maleáveis. Esses componentes por sua vez, são colocados em uma estação biodigestora, em que tudo será compostado. O processo leva apenas 24 horas para acontecer. Ah, a ciência!


Gostou? Então curta, compartilhe e comente!!

Abraços…

Luis Felipe Souza Cunha
Papo de Respeito
www.papoderespeito.com.br

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Close